Junho Alagoano traz o melhor da diversidade cultural do Estado

Projeto idealizado pelo bloco carioca Flor de Lis faz uma viagem às raízes culturais do cantor Djavan

“Não há quem não morra de amores pelo meu lugar”. A canção-título do alagoano Eliezer Setton traduz o sentimento das pessoas que vivem aqui, dos que já tiveram o prazer de visitar Alagoas e até de quem nunca esteve por essas bandas, mas se apaixonou só de ouvir falar. É esse sentimento que move o projeto “Junho Alagoano”, idealizado pelo bloco carioca Flor de Lis, com apoio da Fundação Municipal de Ação Cultural (Fmac), com a participação de mais de 30 artistas locais.

Além das praias paradisíacas, a riqueza das manifestações culturais alagoanas são um atrativo a mais. De Alagoas já saíram nomes de destaque mundo afora e que se tornaram notáveis tanto na música quanto na literatura, política, história, teatro, artes plásticas, artes cênicas, no esporte, e por aí vai. Anota aí, que a lista é extensa:

Graciliano Ramos (escritor), Aurélio Burque de Holanda (dicionarista), Teotonio Vilea (senador), Nise da Silveira (médica psiquiatra), Cacá Digues (cineasta), Hermeto Pascoal (músico), Marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoro (1º e 2º presidentes do Basil, respectivamente), Zagallo (esportista), Zumbi (líder negro que fundou o Quilombo dos Palmares) e, claro, Djavan, que tão bem nos representa no cenário musical. Isso, só para citar alguns.

O projeto

E foi essa paixão que inspirou os fundadores do bloco de carnaval Flor de Lis (@blocoflordelis) a lançarem o “Junho Alagoano”, um projeto voltado exclusivamente para a nossa cultura, com transmissão pela internet.

Criado no Rio de Janeiro, em 2018, o Bloco Flor de Lis surgiu com a intenção de homenagear o alagoano mais querido da cidade – Djavan. E, desde o início da quarentena por causa da pandemia da Covid-19, o bloco tem organizado uma série de lives com foco na trajetória artística do compositor.

Depois do sucesso do projeto “Ouvindo Djavan na Quarentena”, realizado desde março, a turma se prepara agora para lançar o “Junho Alagoano”, com o apoio da Fmac. A programação é toda voltada para a cultura local e conta com a participação de mais de 30 artistas da terra.

Durante todo o mês, nossa música, história, literatura, artesanato, gastronomia, dança, cinema, fotografia, poesia, sociologia, agroecologia e teatro serão o foco de bate-papos bem interessantes com grandes nomes, em suas respectivas áreas.

A programação tem início na terça-feira (2), às 10h, com Rodrigo Aragão representando a culinária alagoana, e vai até o dia 30 de junho, sempre de terça a domingo.

Para coroar a programação do Junho Alagoano, o Flor de Lis traz aos fãs de Djavan um bate-papo histórico com a lendária banda Sururu de Capote, que acompanhou o artista por quase dez anos e fez parte dos momentos mais importantes de sua carreira. É muita história para contar. A live será na quarta-feira (3), às 16 horas, no canal do bloco no Youtube.

Ascom FMAC

FacebookTwitterGoogle Bookmarks